Viúvas de bombeiros mortos em incêndio no prédio da SSP-RS prestam depoimento na Assembleia

0
7


Tenente Deroci Almeida e sargento Lúcio Ubirajara de Freitas Munhóz morreram no combate ao incêndio ocorrido no dia 14 de julho em Porto Alegre. Viúvas de bombeiros mortos prestam depoimento na Assembleia Legislativa
Reprodução / Youtube
As duas viúvas dos bombeiros mortos no incêndio que destruiu o prédio da Secretaria de Segurança Pública do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, prestaram depoimento público sobre o caso, na manhã desta segunda-feira (6), na Assembleia Legislativa. A comissão é presidida pela deputada estadual Luciana Genro (PSOL).
O depoimento aconteceu no âmbito da Comissão de Representação Externa criada na Assembleia para acompanhar as investigações sobre o incêndio.
As viúvas criticaram o que chamaram de “sucessão de erros” no combate às chamas, e à falta de segurança e de equipamentos adequados para uma ocorrência de grandes proporções.
“Essa tragédia só veio pra afirmar muita coisa que é a falta de estrutura, de equipamentos, isso ficou muito mais claro. Eu particularmente fiquei quatro dias acampadas, eu e minha filha, na SSP, pra que a gente pudesse acompanhar as buscas. A gente percebeu a total falta de estrutura”, afirma Kátia de Mesquita Munhóz, viúva do sargento Lúcio Ubirajara de Freitas Munhóz.
“[Sobre os bombeiros] Esses eu só tenho a agradecer, todos os dias e vou pro resto da minha vida ser grata a todos eles. Trabalharam incansavelmente, brigaram pra não ter que sair do local. Homens e mulheres que merecem ser reconhecidos, ter uma estrutura muito melhor pra não correr o risco que os nossos maridos correram”, destacou a viúva.
Segundo a AL-RS, os depoimentos tem como objetivo, além da investigação sobre o incêndio, falar sobre o acolhimento e amparo que elas têm recebido do governo como um todo, e também oferecer esse auxílio por parte da Assembleia Legislativa.
O tenente Deroci Almeida e o sargento Lúcio Ubirajara de Freitas Munhóz morreram no combate ao incêndio ocorrido no dia 14 de julho em Porto Alegre.
Outros envolvidos e testemunhas já prestaram depoimento, como o comandante do Corpo de Bombeiros e oficiais que estavam na ocorrência, assim como o comando da polícia e o delegado responsável pelo inquérito. Entidades técnicas e especialistas em prevenção de incêndio como Sindicato dos Engenheiros, Conselho de Engenharia, Conselho de Arquitetura, Associação dos Bombeiros também foram ouvidos.
A Comissão tem 30 dias de funcionamento e, ao final, irá produzir um relatório.
VÍDEOS: tudo sobre o RS