Em assembleia realizada na tarde desta quinta-feira (2), rodoviários da Carris, em Porto Alegre, consolidaram posição e decidiram entrar em greve a partir desta sexta-feira (3). O motivo da paralisação é o conjunto de projetos na Câmara Municipal da Capital envolvendo a privatização da companhia e a extinção gradual de cobradores de ônibus. A desestatização deve ser votada ainda em setembro.

O encontro ocorreu em frente à sede da companhia, na Rua Albion, no bairro Partenon, na Zona Leste de Porto Alegre. Os funcionários saíram em protesto no final da tarde desta quinta, em caminhada pelo corredor de ônibus da avenida Bento Gonçalves. A EPTC (Empresa Pública de Transporte e Circulação) orientava o fluxo na região.

Em reunião realizada pela manhã, parte dos trabalhadores já tinha votado pela greve. Os ônibus da empresa circularam nesta quinta-feira com 65% da frota, conforme foi acordado com a Justiça. Alguns coletivos deixaram a garagem com uma faixa preta no para-brisa.

A prefeitura de Porto Alegre  ainda não se manifestou sobre procedimentos a serem adotados para reparar possíveis transtornos provocados pela greve.