Tóquio e a genialidade dos pictogramas urbanos: mais um legado olímpico

bailey aschimdt
bailey aschimdt
Se cair algo nos trilhos, chamar um funcionário da estação – Carlos Kato Carlos KatoVEJA
Cuidado com colisão na virada da parede -Piti Koshimura Piti KoshimuraVEJA
Diversos – plataforma de estação de trem – Carlos Kato Carlos KatoVEJA
Escada rolante – Carlos Kato Carlos KatoVEJA
Banheiros – acessibilidade, trocador para crianças, pessoas ostomizadas – Carlos Kato Carlos KatoVEJA
Escada rolante – cuidados gerais Carlos KatoVEJA
Banco – Carlos Kato Carlos KatoVEJA
Piso molhado chuva – Carlos Kato Carlos KatoVEJA

Sucesso absoluto em performance conduzida na cerimônia de abertura desta edição, os pictogramas foram introduzidos à história das Olimpíadas nos Jogos de Tóquio de 1964. Sendo a primeira nação asiática a sediar o evento, o Japão tinha em mãos a desafiadora missão de sinalizar arenas, esportes, serviços, transportes públicos e demais equipamentos urbanos a pessoas vindas de mais de 90 países diferentes. Atravessando barreiras de idiomas, culturas e diferenças geracionais, a criação de desenhos objetivos e funcionais é considerada um marco na história do design gráfico.

Com formas simples e poucas cores, a adoção dos símbolos revolucionou não só a comunicação não-verbal presente nas edições subsequentes dos Jogos, mas também em cidades no mundo inteiro. Os clássicos pictogramas de banheiro feminino e masculino, por exemplo, estão entre o legado dos primeiros Jogos Olímpicos e Paralímpicos em Tóquio. Os designers Masaru Katzumie e Yoshiro Yamashita foram os criadores de 20 imagens representando esportes e de 39 símbolos adicionais, como cabines telefônicas, bancos e estações de primeiros socorros. A Aisaku Murakoshi coube a concepção de 24 pictogramas que sinalizariam pontos e rotas internas do aeroporto de Haneda, assumindo o importante papel de estabelecer a comunicação inicial entre as delegações e visitantes estrangeiros com o país anfitrião. Até hoje, Murakoshi, do alto de seus mais de 80 anos, considera a sinalização de Haneda o seu melhor projeto.

Com o passar do tempo e o surgimento de novas necessidades, os pictogramas se multiplicaram. Hoje, Tóquio ostenta símbolos nos mais diversos contextos: avisos sobre piso escorregadio, cuidado com a escada rolante, estacionamento de bicicletas, rotas de evacuação em caso de terremoto, acessibilidade a pessoas com deficiência, entre muitos outros. Um dos que mais gosto é o símbolo que indica banheiros públicos equipados para pessoas ostomizadas: uma pessoa com um sinal em formato de cruz na altura da cintura. Minimalista, elegante e eficiente — características do design japonês.

Piti Koshimura mora em Tóquio, é autora do blog e podcast Peach no Japão e curadora da Momonoki, plataforma de cursos sobre o universo japonês. Amante de arquitetura e exploradora de becos escondidos, encontra suas inspirações nos elementos mundanos. (@peachnojapao | @momonoki_jp)   

Compartilhe esse Artigo