Numa conversa recente sobre as perspectivas para a disputa de 2022, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, revelou o resultado de uma pesquisa interna sobre a sua possível candidatura ao Planalto. Segundo o levantamento — desses para consumo interno —, o gaúcho terá mais chances de sucesso no sonho de chegar à Presidência se trocar o PSDB por outro partido.

A pesquisa, segundo quem conversou com Leite, apontou a rejeição dos eleitores aos tucanos no cenário nacional, com entrevistados atestando que não votariam em ninguém do PSDB para presidente. Sobre Leite, pouco conhecido no restante do Brasil, o diagnóstico foi que o governador tem potencial de crescimento e pouca rejeição.

Na semana passada, o Radar mostrou que o tucano foi convidado para se filiar ao Podemos, que também está em contato com outros possíveis presidenciáveis como Luciano Huck e Sergio Moro. Se escolher permanecer no PSDB, Leite pode ter que disputar prévias contra até três adversários dentro do partido: o governador de São Paulo, João Doria, o senador Tasso Jereissati e o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio.