RS entrega vacinas nesta sexta para avançar na vacinação e ajustar a distribuição entre municípios

bailey aschimdt
bailey aschimdt

As vacinas Coronavac e Pfizer que chegaram ao Estado na quarta-feira (4) serão distribuídas às 18 CRS (coordenadorias regionais de saúde) nesta sexta-feira (6). Os imunizantes serão utilizados para avançar na faixa etária da campanha de vacinação. Também servirão para alcançar até 70% de todos os ajustes necessários para equalizar eventuais diferenças na distribuição de doses entre os municípios.

Todas as vacinas da Pfizer serão destinadas para a primeira aplicação (D1). As da Coronavac serão utilizadas tanto para D1 como para reserva da segunda dose (D2).

“O avanço da vacinação é o que realmente vai assegurar a quebra das cadeias de transmissão do vírus, mantendo baixos os índices de casos e óbitos por Covid-19 e garantindo que não haja formações de novas variantes. Só assim poderemos voltar à situação de normalidade. O que precisamos é que a população busque a vacina, não apenas a primeira dose, mas complete a imunização”, disse a chefe da Divisão de Vigilância em Saúde, Tani Ranieri.

Para essa remessa, todo o transporte será por via terrestre. Também serão distribuídas seringas de 1ml, necessárias para aplicação de doses da Pfizer.

Ajustes na distribuição

Levantamento feito pela SES (Secretaria da Saúde) busca corrigir eventuais distorções na distribuição de doses das vacinas contra a Covid-19.

“Trabalhamos com estimativas populacionais que, muitas vezes, não correspondem, na vida real, à população que se vacina efetivamente em cada cidade. Queremos seguir distribuindo as vacinas da forma mais equânime e uniforme possível, levando em consideração, por exemplo, a maior população que municípios do Litoral recebem no verão e da Serra no inverno”, explicou a diretora do Cevs, Cynthia Molina Bastos.

Nova estimativa para a D1

O governo do Estado revisou as previsões de vacinação da população gaúcha e, considerando o ritmo de imunização dos municípios e o anúncio de envio de doses pelo Ministério da Saúde, projeta ser possível imunizar toda a população a partir de 18 anos de idade ainda neste mês de agosto – a expectativa anterior era até 7 de setembro.

A nova projeção resulta de estudos técnicos realizados pela SES e foi validada durante reunião do Gabinete de Crise na tarde da quarta-feira (4).

Para que seja possível atingir a imunidade coletiva no Estado, Tani alerta que é necessário vacinar, no mínimo, 70% da população com as duas doses ou dose única, mas de forma homogênea entre municípios e idades. “O ideal é que o Estado atinja 90% de cobertura vacinal”, completa.

Compartilhe esse Artigo