O grupo aliado a Jair Bolsonaro já conversa com a direção do Patriota e prepara o caminho para adesão ao partido.

O presidente já teve dois encontros este ano com o presidente da legenda, Adilson Barroso. A primeira foi no final de janeiro, como revelou o Radar.

O deputado Bibo Nunes (PSL-RS) é um dos aliados do Planalto que está de mala prontas para seguir para o Patriota, no aguardo do comando de Bolsonaro.

“O Patriota é o partido do coração do Bolsonaro. Ele deve mesmo se filiar ao partido, que ele (Bolsonaro) escolheu o nome”, afirmou Nunes.

Em 2017, então deputado federal, Bolsonaro chegou a assinar uma ficha com a promessa de filiação ao Patriota, mas não vingou. Barroso atribui o insucesso da operação a Gustavo Bebianno, ex-braço direito do hoje presidente da República, que desejou o partido de “porteira fechada”, com todos os diretórios estaduais à disposição.

Barroso conta que recusou.

Bibo Nunes acha que o momento agora é outro.

“É um partido pequeno, que não tem caciques e que ficará totalmente sob o comando do presidente”, afirmou  o deputado gaúcho, que pode assumir o comando do Patriota no Rio Grande do Sul, se a parceria for oficializada.

 

Continua após a publicidade