Isaquias Queiroz é ouro na prova do C1 1000 metros da canoagem

bailey aschimdt
bailey aschimdt

toquio2020; canoagem Jonne RorizCOB
CANOE-SPRINT-OLY-2020-2021-TOKYO Philip FongAFP
CANOE-SPRINT-OLY-2020-2021-TOKYO Philip FongAFP
CANOE-SPRINT-OLY-2020-2021-TOKYO Luis AcostaAFP
CANOE-SPRINT-OLY-2020-2021-TOKYO Luis AcostaAFP
CANOE-SPRINT-OLY-2020-2021-TOKYO Philip FongAFP
CANOE-SPRINT-OLY-2020-2021-TOKYO Luis AcostaAFP

O Brasil é ouro na canoagem! Isaquias Queiroz venceu a final da prova do C1 1000 metros na noite desta sexta-feira, 6 (manhã do sábado, 7, em Japão), e garantiu mais uma medalha dourada para o país nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

O baiano de Ubaitaba largou na raia 4 e passou em terceiro nos primeiros 250 metros da disputa. Aos poucos, ele foi deixando os rivais Conrad Scheibner, da Alemanha, Adrien Bart, da França, e Liu Hao, da China, para trás. O chinês foi o que mais dificultou a vida de Isaquias, mas a partir da metade da prova, o brasileiro foi colocando cada vez mais vantagem. A promessa feita antes da semifinal de sair com uma medalha de ouro na canoagem foi cumprida com certa tranquilidade. Isaquias fez uma marca de 4:04:408, mais de um segundo à frente de Liu Hao.

“Estou mais feliz ainda por deixar vocês no Brasil mais felizes. Prometi e fui atrás. Só tenho uma frase. Tem uma pequena música que eu levo para mim, do Hungria Hip Hop. ‘Um dia eu vi uma estrela cadente e fiz um pedido, hoje eu creio que foi a pedido.’ Era só um menino brincando com os amigos e hoje são campeão olímpico”, comemorou Isaquias Queiroz em entrevista ao SporTV após conquistar o ouro.

O atleta também homenageou o treinador espanhol Jesus Morlán, que era o técnico da equipe de canoagem nos Jogos do Rio em 2016, mas faleceu em decorrência de um câncer em novembro de 2018. “Está acima da gente, de mim, do Lauro e toda a equipe. Tínhamos o objetivo. Eram duas medalhas. Não conseguimos no C2, mas consegui realizar um sonho dele que era eu me tornar campeão. Ele me incentivou muito. Esse feito é meu e dele”, celebrou.

Agora, o baiano tem quatro medalhas na história dos Jogos Olímpicos. Foram três na Rio-2016 (duas de prata e uma de bronze) e este ouro em Tóquio. Isaquias Queiroz entrou no seleto grupo de brasileiros com quatro medalhas, ao lado de Serginho “Escadinha”, do vôlei de quadra, e Gustavo Borges, da natação.

Com cinco ouros, quatro pratas e oito bronzes, o Brasil subiu para a 16ª posição no quadro de medalhas da Olimpíada. Já são 17 conquistadas e outras quatro garantidas. Nas próximas horas, serão mais três chances de ouro: no vôlei de quadra feminino (enfrenta os Estados Unidos 1h30 da manhã), no boxe (Hebert Conceição na final do peso médio, até 75 kg, às 2h45) e no futebol masculino (às 8h30 da manhã na final contra a Espanha).

No domingo, 8, Bia Ferreira entra no ringue para lutar por mais um lugar no alto do pódio. A baiana enfrenta a irlandesa Kellie Anne Harrington, às 2h, no peso leve (até 60 kg).

Compartilhe esse Artigo