O ministro Paulo Guedes deu uma achatada nos gastos com refeições em voos da Força Aérea Brasileira. O Ministério da Economia fechou um contrato com a International Meal Company Alimentação para prestação de serviços de comissaria aérea no Aeroporto Internacional de Brasília às aeronaves da FAB utilizadas por Guedes e sua assessoria.

A pasta limitou o valor dos gastos em 49.800 reais para os próximos 12 meses. Para quem acha que é muito dinheiro, no início de 2020 o Ministério do Desenvolvimento Regional planejava gastar 589.000 reais em contrato semelhante, mas cancelou a assinatura do acordo em meio à pandemia e justificou que era coisa da gestão anterior.

Guedes reduziu suas viagens logo no começo da pandemia. Em 2019, Guedes fez 55 viagens, a maioria para o Rio de Janeiro. Foram quatro viagens para os EUA.

Em 2020, Guedes fez apenas dez viagens, sendo uma para os EUA, em janeiro. A última viagem do ministro foi para São Paulo e Rio, dia 9 de março do ano passado, quando a pandemia começava a se alastrar.

Ele é um dos poucos ministros do governo Bolsonaro que usa máscara e segue regras de distanciamento. E um dos poucos que não pegou Covid.

Continua após a publicidade