Greve dos trabalhadores do transporte intermunicipal na Região Metropolitana de Porto Alegre é suspensa

bailey aschimdt
bailey aschimdt

O Sindimetropolitano (Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários Intermunicipais, de Turismo e de Fretamento da Região Metropolitana de Porto Alegre) decidiu suspender a greve que estava marcada para iniciar à 0h desta segunda-feira (09).

A paralisação atingiria os moradores de Canoas, Cachoeirinha, Nova Santa Rita, Alvorada, Glorinha, Gravataí e Viamão. A decisão foi tomada após uma reunião entre representantes do sindicato, de empresas de ônibus e do governo gaúcho. O encontro foi mediado pela Secretaria de Articulação e Apoio aos Municípios do Rio Grande do Sul, que criou um grupo de trabalho emergencial para tratar da questão.

A categoria reivindica o pagamento integral do vale-alimentação, um terço das férias que deveria ter sido pago em 30 de julho e reajuste salarial. O Sindimetropolitano também destaca o “número excessivo de demissões” no setor.

Em nota, a ATM (Associação dos Transportadores Intermunicipais Metropolitanos de Passageiros) e o Setergs (Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do RS) cumprimentaram o SindiMetropolitano pela decisão de suspender a paralisação.

“Sob a liderança da Secretaria de Articulação e Apoio aos Municípios, o grupo de trabalho emergencial, criado em reunião com o governo do Estado nesta sexta-feira, deverá ajudar a encontrar alternativas ao grave desequilíbrio econômico-financeiro. O transporte público de passageiros vem sofrendo queda gradual de demanda há alguns anos. O fato se agravou com a pandemia e com as limitações da capacidade de transporte dos ônibus impostas pelos decretos. Apesar disso, as empresas vêm cumprindo rigorosamente seus compromissos com a classe trabalhadora. Desde o início do ano, os operadores do sistema metropolitano vêm buscando alternativas junto ao governo do Estado para que se construa uma solução equilibrada, que garanta a manutenção de um serviço essencial para milhares de pessoas, bem como a preservação das atividades dos colaboradores das empresas”, afirmaram as entidades.

Compartilhe esse Artigo