Contrato de concessão que garantirá a duplicação da RSC-287 é assinado

bailey aschimdt
bailey aschimdt

O contrato de concessão da RSC-287 – principal ligação entre a Região Metropolitana de Porto Alegre e o Centro do Estado –, que prevê R$ 2,7 bilhões em investimentos pelos próximos 30 anos, incluindo a duplicação dos 204,5 quilômetros de extensão nos dois sentidos de fluxo, foi assinado nesta terça-feira (20) pelo governador Eduardo Leite e o grupo espanhol Sacyr.

“Vinte de julho de 2021. É um dia histórico para o Rio Grande do Sul. No Dia do Amigo, celebramos um acordo fruto da mobilização de toda uma comunidade, conduzido pelo governo e com a parceria da iniciativa privada. Celebramos a cooperação, uma parceria em que todos ganham, principalmente as 6 milhões de vidas que por aqui circulam anualmente e que se submetem aos riscos de uma estrada não duplicada, incluindo aqueles que escoam boa parte da produção do nosso Estado”, disse o governador.

“Com a concessão à iniciativa privada, vamos ter obrigação da duplicação do trecho integral, de Tabaí até Santa Maria, ao longo dos próximos anos, que vai oferecer conforto, segurança e, sem dúvida nenhuma, oportunidade de atração de outros investimentos”, acrescentou Leite.

Dos R$ 2,7 bilhões em investimentos que a empresa terá de fazer, R$ 1 bilhão deverão ser aplicados já nos primeiros dez anos. As obras na rodovia devem começar imediatamente, com um trabalho de recuperação da estrada. Conforme o contrato de concessão, os primeiros pontos a serem duplicados serão os trechos considerados urbanos, junto aos acessos aos municípios cortados pela rodovia – começando por Tabaí, passando por Santa Cruz do Sul e demais cidades, até Santa Maria.

A Sacyr passará a administrar as duas praças de pedágio já existentes em Venâncio Aires (km 86) e Candelária (km 131). A cobrança nas demais praças – em Tabaí (km 47), Paraíso do Sul (km 168) e Santa Maria (km 214) – só deve ocorrer a partir do primeiro mês do segundo ano da concessão, em agosto de 2022.

No leilão realizado em dezembro de 2020, o grupo espanhol foi declarado vencedor ao apresentar na Bolsa de Valores B3, em São Paulo, uma proposta de pedágio no valor de R$ 3,36, a menor entre os concorrentes e 54,41% abaixo do teto estipulado na licitação, de R$ 7,37.

Com a correção após os sete meses de leilão, conforme o IPCA, a tarifa cobrada será de R$ 3,70. O valor deve entrar em vigor em até 30 dias, para que haja tempo de análise pela Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do Rio Grande do Sul.

Compartilhe esse Artigo