O Carrefour Brasil já havia anunciado, sem data definida, a internalização da segurança que atua dentro de todas as suas lojas, iniciando com um projeto-piloto no Rio Grande do Sul em 14 de dezembro. Agora estabeleceu uma meta para que ocorra em todas as lojas: até outubro de 2021. A data certa ainda depende dos resultados desse piloto.

Segundo a rede varejista, os profissionais terão perfil e abordagem ressignificados, com ênfase no apoio, na orientação e acolhimento dos clientes. O Carrefour reitera que os profissionais de segurança de loja contratados seguirão a representatividade da população brasileira, na qual mulheres vão compor, aproximadamente, 50% do total, e negros também terão 50% do total.

Além disso, os profissionais responsáveis pela segurança externa da loja, que cumprem requisitos legais com chancela da Polícia Federal, receberão treinamento antirracismo para estarem alinhados às políticas da empresa.

As mudanças foram deflagradas após o caso João Alberto, um cliente, negro, morto na saída de uma loja de Porto Alegre (RS). Ele foi asfixiado pelos seguranças, que eram funcionários de uma terceirizada.

+ Siga o Radar Econômico no Twitter

Continua após a publicidade