Investigada no inquérito das fake news do STF, a deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) foi confirmada na presidência da Comissão de Constituição e Justiça — a mais importante comissão da Câmara dos Deputados.

A confirmação sacramenta o movimento do PSL, ex-partido de Jair Bolsonaro, de adesão ao grupo que apoiou a candidatura de Arthur Lira para a presidência da Câmara. O partido podia indicar o nome que quisesse para o comando da comissão, por onde passam todos os projetos da Casa.

Para se cacifar no posto, Kicis, aliada de Bolsonaro, que chegou a enfrentar a resistência de colegas e até de ministros do Supremo, moderou o tom e se apresentou aos deputados como um nome ligado ao Direito: ela foi procuradora do Distrito Federal.