Cobrado publicamente por ministros do STF nas últimas semanas, Augusto Aras tem desabafado com seus auxiliares na PGR sobre a diferença de tratamento recebida por ele e a dispensada ao antecessor no cargo Rodrigo Janot.

“Vejo agora pessoas que me criticam de forma impiedosa e que ficaram caladas quando um de meus antecessores rasgou a Constituição, subverteu o Estado de Direito, aceitou provas forjadas e acabou desmoralizado. Onde essas pessoas estavam? O que fizeram?”, costuma dizer Aras, segundo um interlocutor.

Além de Janot, outro alvo da crítica é Sergio Moro e a própria Lava-Jato.