Menino morto pela mãe em Imbé era obrigado a escrever frases ofensivas em caderno, diz polícia

bailey aschimdt
bailey aschimdt


Corrente que, segundo a investigação, era usada para prender Miguel também foi apreendida em um dos apartamentos onde a criança morou com a mãe. Buscas chegam ao sétimo dia nesta quarta. Caderno apreendido mostra que Miguel era obrigado a copiar frases ofensivas, segundo a Polícia
Divulgação/Polícia Civil
A Polícia Civil apreendeu, na noite de terça-feira (3), um caderno com frases ofensivas, que segundo a investigação eram copiadas por Miguel dos Santos Rodrigues, de 7 anos. A mãe da criança, Yasmin Rodrigues, de 26 anos, está presa após confessar ter matado a criança.
Entenda o caso: menino morto pela mãe em Imbé
Avó de menino morto em Imbé tinha feito pedido de guarda da criança
Conselho Tutelar não recebeu denúncias de agressão contra Miguel
Segundo o delegado Antonio Carlos Ractz, Miguel era obrigado a copiar frases como “eu sou um idiota”, “não mereço a mamãe que eu tenho”, “eu sou ladrão, “eu sou ruim” e “eu sou um filho horrível”.
O objeto foi apreendido em um dos apartamentos onde Miguel morou com a mãe, um no bairro de Balneário de Santa Terezinha e outro no centro de Imbé. Além do caderno, a polícia também localizou uma corrente, que seria utilizada para manter a criança presa.
Conversas divulgadas pela polícia mostram a mãe e a madrasta de Miguel, Bruna Nathieli Porto da Rosa, conversando sobre a compra da corrente. Bruna também está presa. Ela e Yasmin foram transferidas do Presídio de Torres para a Penitenciária Feminina de Guaíba, na Região Metropolitana de Porto Alegre.
A perícia criminal também esteve nos apartamentos e coletou material genético, informou o delegado.
Corrente, que segundo a investigação era usada para manter Miguel preso, também foi apreendida
Divulgação/Polícia Civil
Polícia divulga imagens de conversa entre madrasta e menino morto pela mãe em Imbé
Segundo o relato feito à polícia, a mãe dopou a criança usando medicamentos, colocou o corpo dentro de uma mala e jogou no Rio Tramandaí, há uma semana.
Na quinta-feira (29), foi à Polícia para relatar o suposto desaparecimento da criança. Ao apresentar contradições, foi questionada pela polícia e confessou o crime. Segundo a Polícia Civil, a criança sofria tortura física e psicológica.
O Corpo de Bombeiros Militar acredita que o corpo tenha sido levado para o mar, onde o rio desemboca, devido à vazante. As buscas chegam ao sétimo dia nesta quarta-feira (4), e são realizadas entre a praia de Tramandaí e a cidade de Torres, no Litoral Norte do RS.
Drones também são empregados nas buscas. Nesta semana, cães farejadores também devem passar a ser usados.
Miguel foi morto pela mãe e teve corpo atirado no Rio Tramandaí, em Imbé, segundo a polícia
Reprodução/RBS TV
Perícia foi feita no local e material genético foi coletado
Divulgação/Polícia Civil
Entenda o caso: corpo de menino morto é jogado em rio em Imbé
VÍDEOS: Menino morto pela mãe em Imbé
Initial plugin text

Compartilhe esse Artigo