Luiz Fux mantém suspenso processo de concessão do Mercado Público de Porto Alegre

bailey aschimdt
bailey aschimdt


Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) negou recurso da Prefeitura de Porto Alegre que pedia a retomada da concorrência. Processo licitatório está suspenso desde julho. Mercado Público de Porto Alegre
Joel Vargas / PMPA
O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, manteve suspenso o processo de concessão do Mercado Público de Porto Alegre, ao negar recurso da Procuradoria-Geral do Município para retomar a concorrência. A decisão é da última quinta-feira (8).
O G1 fez contato com a prefeitura, mas até a publicação desta reportagem, não havia informado se iria recorrer da decisão do Supremo.
Fux entendeu que a suspensão da concessão não representa risco de prejuízos ao município, como alegado no recurso. “Da argumentação do requerente e dos elementos constantes dos autos não se vislumbra potencial lesão de natureza grave ao interesse público a ensejar a concessão da medida pleiteada”, aponta.
“Com efeito, não se revela plausível a argumentação do Município de que a suspensão temporária da licitação pretendida seria capaz de comprometer por si própria significativamente as finanças públicas municipais, seja porque o resultado do certame licitatório é incerto, seja porque eventuais investimentos na restauração do Mercado Público Municipal, a serem realizados pela empresa vencedora, se darão necessariamente de modo diluído no tempo”, afirma, na decisão.
A concessão está interrompida desde julho, por uma decisão do Tribunal de Contas do Estado, em uma inspeção especial aberta pelo órgão para averiguar a legalidade do processo. O município tentou reverter a decisão no Tribunal de Justiça, mas teve o pedido negado.
O edital prevê a concessão do Mercado Público por 35 anos à iniciativa privada, que ficaria responsável pelo restauro, manutenção e gestão do tradicional mercado do Centro da Capital. O valor do edital é de R$ 40 milhões, com outorga mínima de R$ 17 milhões. Duas propostas chegaram a ser entregues, mas não foram abertas pela prefeitura devido à decisão que paralisou o processo.

Compartilhe esse Artigo