Cientista do RS relata reflexos de apagão no CNPq em concurso: ‘Atrapalhou a comprovação de títulos’

bailey aschimdt
bailey aschimdt


Biólogo perdeu acesso ao currículo Lattes durante processo seletivo em universidade, que acabou desobrigando apresentação de títulos. Representante de pós-graduandos da UFRGS teme atraso no pagamento de bolsas. CNPq afirma que acesso parcial aos sistemas foi restabelecido na terça (3). Sede do CNPq, em Brasíli
Herivelto Batista/MCTIC
O “apagão” nos sistemas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) provocou reflexos na vida de estudantes, professores e pesquisadores de todo o Brasil. Na terça-feira (3), o órgão vinculado ao Ministério da Ciência e Tecnologia informou que foi restabelecido o acesso parcial a sistemas e plataformas de currículos, como o Lattes.
Ainda assim, cientistas convivem com os problemas decorrentes da falha, detectada no dia 23 de julho. Trabalhando em Porto Alegre em razão das restrições da pandemia, o biólogo Leonardo Augusto Luvison Araujo, de 32 anos, precisou acessar o currículo Lattes para comprovar os títulos em um concurso público.
“Bem na semana do apagão, eu não tive acesso às cópias do Lattes. Enviei e-mail para o CNPq. Eles me retornaram, mas não enviaram as cópias, falando que ainda estavam tentando resolver o problema”, diz.
‘Este apagão foi horrível’, diz professora da UFSM
Pós-doutorando em Ensino de Biologia pela Universidade de São Paulo (USP), Luvison relata que a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), onde presta o concurso, teve que abrir uma exceção aos candidatos que não tiveram como consultar as plataformas do CNPq.
“Atrapalhou toda essa fase de comprovação de títulos”, lamenta Luvison.
Nas redes sociais, o CNPq afirmou que “o trabalho de restauração dos acessos ainda está em andamento, incluindo novas atualizações da base de dados, que serão feitas nos próximos dias, incluindo, nos currículos, as fotos e o número de citações”.
Pagamento de bolsas
Ainda que o CNPq tenha afirmado que o pagamento de bolsas aos pesquisadores está garantido, os cientistas temem que o “apagão” possa afetar o repasse da remuneração, como afirma o coordenador da Associação de Pós-Graduandos (APG) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Bruno Veber.
“É consenso que todos estão temerosos se receberão o pagamento das bolsas deste mês e do próximo. Apenas no quinto dia útil que cai a bolsa”, comenta.
Aprovado parecer para analisar destituição de reitor da UFRGS
O CNPq é uma a agência federal de fomento à pesquisa e é responsável pelo pagamento de bolsas a cientistas no Brasil. O órgão tem diversas plataformas, como o Lattes, que reúne quatro sistemas nos quais cientistas devem registrar seus currículos, e a Carlos Chagas, referente às bolsas de financiamento de pesquisa.
Associação de Pós-Graduandos da UFRGS comenta impacto de ‘apagão’ dos sistemas do CNPq
VÍDEOS: Tudo sobre o RS

Compartilhe esse Artigo