Árvore do Mês homenageia país-sede da Olimpíada com a cerejeira

bailey aschimdt
bailey aschimdt

Com flores belas e delicadas em tons suaves de rosa, a cerejeira-japonesa é a Árvore do Mês da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Urbanismo e Sustentabilidade.

Espécie símbolo do Japão, país-sede das Olimpíadas, atrai pessoas às praças e parques durante a floração. Em Porto Alegre, é possível admirar a cerejeira-japonesa em locais como as praças Japão e Província de Shiga e as ruas João Obino (Consulado do Japão), Quintino Bocaiúva, Machado de Assis e São Josemaria Escrivá. Neste ano, a floração na Capital ocorreu em meados de julho.

Também é conhecida como sakura, cerejeira ornamental, cerejeira-do-japão e cerejeira-de-okinawa (Prunus campanulata). Pode medir de quatro a 12 metros, gosta de clima frio, tem crescimento lento e flores de pouca duração: não resistem nem uma semana nos galhos.

De beleza incomparável, as flores são o grande charme da cerejeira-japonesa, usadas também para fazer chás. O fruto não é comestível. A curiosidade é que a árvore passa por transformação ao longo do ano, pois as folhas mudam de cor a cada estação.

A flor de cerejeira é muito popular na arte tradicional japonesa do origami, técnica de dobras em papel que cria objetos e animais. Uma flor de cerejeira em origami representa a junção de dois aspetos fundamentais da cultura japonesa.

No Brasil, a árvore perde as folhas entre os meses de maio e junho e começa a florescer a partir de julho. Enquanto nos países asiáticos existem até 200 espécies de cerejeiras ornamentais, no Brasil a cerejeira-japonesa está entre as mais conhecidas.

 

Compartilhe esse Artigo