O governo do Rio Grande do Sul já entregou 2 mil cestas básicas a pessoas LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e outros grupos) em situação de vulnerabilidade. A iniciativa tem sido viabilizada pelo repasse de R$ 1,5 milhão via proposta emergencial de convênio, contemplando diferentes segmentos populacionais.

Na tarde desta quarta-feira (1º), travestis e transexuais em situação de vulnerabilidade social receberam 345 cestas – de um total de 50 toneladas de alimentos. O encaminhamento foi feito durante evento na Associação Cultural Vila Flores, na Zona Norte de Porto Alegre. Desde o início, famílias e pessoas LGBT já receberam ao menos 426 cestas no Estado.

Participaram do ato a titular da Secretaria da Igualdade, Cidadania, Direitos Humanos e Assistência Social (SICDHAS), Regina Becker, o coordenador de diversidade sexual da pasta, Dani Morethson, e representantes das ONGs Igualdade RS (Porto Alegre), Marcele Malta, Desobedeça (Tapes), Roberto Seitenfus, e Girassol (São Borja), Maria Luiza Gauchinha.

Pobreza agravada pelo preconceito

A verba de R$ 1,5 milhão que permitiu a ação é oriunda de proposta emergencial de convênio nº 858/2021, com o Fundo para Reconstituição de Bens Lesados [FRBL], possibilitando a aquisição de quase 10,3 mil cestas básicas a serem destinadas a entidades que atendem famílias em situação de vulnerabilidade em todo o Estado, não só entre o segmento LGBT.

“Mais de 20 mil pessoas estão em situação de extrema pobreza em nosso Estado, o que coloca a necessidade de criar estratégias de intervenção que atendam as demandas mais básicas”, frisou a secretária estadual. “Os alimentos tem chegado à população LGBT que, além do desemprego agravado pela pandemia, sofre com a exclusão e o preconceito”.

(Marcello Campos)