O Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, apronta os últimos detalhes para a inauguração da 44ª Expointer, que ocorrerá a partir deste sábado (4) até 12 de setembro, em Esteio.

Estão sendo montados os estandes nos pavilhões e a céu aberto, os equipamentos com álcool em gel e lavatório de mãos estão espalhados pelo local, os restaurantes se preparam para receber os visitantes e trabalhadores durante os nove dias. E os animais já estão sendo recepcionados desde o último dia 30. Os protocolos de saúde serão seguidos à risca para garantir a segurança da população nesta edição da feira, que já está fazendo história, segundo a SEAPDR (Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural).

O fiscal estadual agropecuário da SEAPDR, Aurélio Maia, é responsável pelas boas-vindas às estrelas do evento. Ele conta que o tratador, o produtor, o criador, para entrar no portão 8, tem que passar antes pelo portão 9, para fazer o teste contra a Covid-19. “Se estiver tudo certo, ele recebe uma pulseira verde de identificação e acesso. Depois ele entra com os animais no parque, é feita a recepção dos mesmos, e ele é liberado para alojá-los nos pavilhões”.

Maia esclarece que, para os animais, existe uma exigência sanitária para cada espécie. “Em primeiro lugar, precisa ter a Guia de Trânsito Animal (GTA), e para cada espécie são cobrados determinados exames. Para os bovinos, é necessário exame de brucelose e tuberculose; para os equinos, atestado negativo de anemia infecciosa equina e exame de mormo; para os ovinos, atestado negativo de sarna e piolheira, além de epididimite ovina(que é a brucelose ovina). Após toda a verificação dos animais, primeiro da documentação, pelas equipes da Defesa Sanitária da SEAPDR, o animal é liberado e pode entrar no parque”.

Expositores

artesanato

O Parque já conta com alguns expositores, que preparam seus espaços para receber os visitantes. É o caso de Dalto Rodrigues, proprietário da Selaria Ginetes do Brasil. Como o nome sugere, trata-se de uma banca de artigos gaúchos. “Aqui tem tudo para o cavalo, o peão e a prenda. Vestuário, montaria, berrante e até guampa de canha”, comenta. A loja é de Alvorada e existe desde 2007. Na Expointer, participa desde 2016. “É muito importante pra gente participar da feira. Normalmente, aqui, as vendas aumentavam 200%. Mas claro que este ano, por ser uma Expointer de retomada, a expectativa é que aumentem 100%. Além disso, o evento é importante pra divulgar a cultura gaúcha”.

No espaço destinado a máquinas e equipamentos agrícolas, alguns já estão instalados parcialmente. O Grupo Verdes Vales, que tem matriz em Santa Maria, e é representante da marca John Deeree, ocupa um estande de 1.800 metros quadrados. O especialista de Aplicação de Produto, Jesus Duquia, entre outros, realiza os últimos preparativos. No local, será instalado um Centro de Soluções Conectadas (CSC), que mostrará o funcionamento das tecnologias embarcadas, sendo responsável pelo monitoramento de dados e cuidado com os equipamentos do cliente. Este ano, as máquinas pesadas serão o principal destaque da marca.

máquinas

Conforme o gerente geral de construção e pavimentação, Tales Barbosa, a expectativa da Verdes Vales é de realização de bons negócios. “Estamos indo para a feira para apresentar alguns lançamentos e tecnologias aos visitantes, para estarmos mais perto do público e prestigiarmos o evento na retornada das atividades”, explica. Ele conta que o Parque foi o local escolhido para o lançamento da nova pá-carregadeira 444G, da John Deere. “Desenvolvida para o mercado brasileiro, a máquina alia resistência, versatilidade, economia e confiança para a operação”.

No Pavilhão da Agricultura Familiar já tem um espaço reservado para a agroindústria Produtos Lilien, do município de Picada Café. A proprietária, Clarice Rohr, começou sua história com chás em 2013, para melhorar sua qualidade de vida. Hoje ela, o marido Roberto e a filha melhoram a vida de outras pessoas produzindo chás orgânicos; geleias orgânicas de rosas, lavanda, hortelã, hibisco, pimenta, bergamota com capim limão, morango, morango diet, morango com gengibre; biscoitos diet (sem glúten e lactose); entre outros produtos. “Em épocas de colheita de camomila, ou hibisco, algumas pessoas nos ajudam na temporada de feira e pra produzir os biscoitos e chás também”, diz Clarice.

agricultura familiar

A agricultora destaca que a primeira feira que participou como agroindústria familiar foi a Rural Show Nova Petrópolis, em 2016. E que participa da Expointer desde 2016 também. “De lá pra cá, estamos em todas. Para Clarice, a Expointer é a principal feira do Estado, onde é possível ter contato com várias pessoas. “É muito importante, porque, além de ser uma vitrine pra expor nossos produtos, a gente tem a venda direta, o contato com o cliente, consegue explicar melhor sobre o produto (porque muitos querem saber como são feitos). E a expectativa para este ano? Eu já sei. O meu resultado vai ser muito bom”, fala com alegria.