Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco divulgou nota nesta segunda para mandar um recado a Jair Bolsonaro. O senador lembrou o presidente da República que o verdadeiro “patriota” não busca dividir o país, mas trabalha pela união nacional.

Horas depois, o recado viria acompanhado de demonstrações práticas de figuras importantes da República. Na noite desta segunda, Arthur Lira encontrou Pacheco e o chefe da Casa Civi, Ciro Nogueira, na residência oficial da Câmara. A rápida conversa, segundo um interlocutor presente, foi mais para lamentar as posturas de Bolsonaro do que para buscar alguma medida prática.

Até porque todos concordam que um confronto político a partir do impeachment é tudo que Bolsonaro sonha para instalar de vez no país sua agenda do caos.

Para o trio, o presidente escolhe deliberadamente a agenda de confronto. Não há muito o que fazer, senão ignorar, ter paciência e esperar o pleito de 2022 chegar. Esse foi o ponto de acordo entre os chefes do Congresso e o ministro da Casa Civil.

Pacheco também marcou um particular com Luiz Fux, o presidente do STF. As marolas provocadas pelo presidente da República estão de novo na pauta. Novamente, não há o que avançar. A conversa será de constatação do “problema” para que os chefes de poderes, que estão unidos e dialogando, saibam como agir conjuntamente diante de Bolsonaro. O plano deve ser o de preservação das instituições democráticas e o registro, claro, de cada pisada fora da linha constitucional do bolsonarismo.

Em resumo, todo mundo na cúpula da República segue conversando enquanto Bolsonaro busca voluntariamente o isolamento e o tumulto. “Será assim até a eleição. O presidente cavando o próprio buraco, buscando o isolamento e o tumulto”, diz um cacique político, resignado.