Partidos de oposição ao governo federal na Câmara dos Deputados protocolaram há pouco representações no MPF e no TCU contra o presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e o diretor de Logística da pasta, general Ridauto Fernandes. 

O objetivo é apurar o desperdício milionário de medicamentos que estão vencendo em um depósito do governo em São Paulo. O caso foi revelado em reportagem desta segunda-feira na Folha. 

De acordo com o jornal, o governo deixou de distribuir a unidades do SUS pelo país cerca de 240 milhões de reais em medicamentos, testes de diagnóstico e vacinas que agora passaram da data de validade e vão precisar ser jogados fora.

Nesta segunda, parlamentares protocolaram no MPF e no TCU pedidos de apuração sobre o caso. Segundo o líder da oposição na Câmara, Alessandro Molon (PSB-RJ), enquanto medicamentos vencem nas dependências do governo, o presidente Bolsonaro se ocupa em levar adiante sua batalha pessoal contra o Judiciário. 

De acordo com Molon, o presidente “cria novos problemas” ao invés de “governar e resolver problemas que já existem e que não são poucos”. O vencimento, disse Molon, “é uma irresponsabilidade que não pode ficar impune”.