Na edição de VEJA que foi para as bancas na semana passada, o Radar mostrou que os colegas de ministério de Anderson Torres, o chefe da Justiça, afirmavam que ele só participou da live de Jair Bolsonaro contra a urna eletrônica porque queria “ganhar visibilidade”.

O ministro sonha em se lançar candidato ao Senado em 2022 e a atuação ao lado do presidente ajudaria a projetar sua imagem junto ao eleitorado bolsonarista.

Na terça, a partir da informação do Radar, o ministro Alexandre de Moraes oficiou o corregedor-geral da Justiça Eleitoral, ministro Luís Felipe Salomão, para que o órgão investigue a possível propaganda eleitoral antecipada por parte de Torres.