Jair Bolsonaro é o primeiro a dizer que só vê dois caminhos na sua escalada autoritária no Planalto: “a vitória ou a morte”. Antes do feriado, ele listava também a possibilidade de ser preso.

Na terça, porém, descartou esse desfecho enquanto discursava no caminhão de som. Na cabeça do presidente, ele tomou mesmo — com suas ações — o caminho de vida ou morte no poder.

Governador do Maranhão e um dos nomes da oposição preocupados com a situação política do país, Flávio Dino concorda com Bolsonaro em sua previsão destrutiva de futuro.

“Bolsonaro está, a cada dia que passa, mais extremista, mais isolado e mais desatinado. Vai tentar rasgar a Constituição, mas não conseguirá. E perderá tudo”, diz Dino.