Ex-ministro da Justiça de Jair Bolsonaro e possível candidato ao Palácio do Planalto nas eleições do ano que vem, Sergio Moro participará nesta quinta-feira de um encontro com economistas da Casa das Garças, no Rio.

A casa é um polo de pensamento econômico e de políticas públicas criado em 2003 pelos economistas Edmar Bacha e Dionísio Dias Carneiro.

O grupo, composto por egressos da PUC-Rio, teve proximidade com os governos de Fernando Henrique Cardoso, o que legou à Casa das Garças o apelido de “ninho tucano”.

O centro de estudos tem inclinação liberal, apreço pelo chamado tripé macroeconômico e advoga em favor da responsabilidade fiscal dos governos.

Segundo o Radar apurou, Moro tem se movimentado, ainda que discretamente, para a articulação de sua candidatura no ano que vem.

O debate na Casa, que será fechado a imprensa, é mais uma agenda nesse plano. Moro tenta se cacifar junto a economistas respeitados por boa parte do PIB brasileiro.

Se para o ex-juiz a reunião é importante para testar a aderência dos economistas ao seu nome, para a Casa das Garças será mais um encontro com um postulante ao cargo máximo do Executivo federal.

Segundo Edmar Bacha, o encontro será para debater as perspectivas para o Brasil. Encontros semelhantes ocorreram este ano com nomes como Gilberto Kassab, João Amoedo, Luiz Henrique Mandetta, Raul Jungmann, Rodrigo Pacheco e Tasso Jereissati.