O noticiário corporativo tem como destaque o noticiário de Petrobras, que iniciou na segunda-feira a produção de petróleo e gás natural do FPSO Carioca, primeira plataforma no campo de Sépia, no pré-sal da Bacia de Santos.

Já a Cosan anunciou na segunda-feira uma nova estratégia de investimentos por meio de uma estrutura de fundos, através da qual realizará aportes com recursos próprios e eventualmente de terceiros em novos negócios, conforme fato relevante divulgado ao mercado.

A Vitru, dona da Uniasselvi, fechou na segunda a compra da UniCesumar por um valor que pode chegar a até R$ 3,5 bilhões. Fundada em Maringá (PR), a Cesumar reúne cursos de ensino a distância com nota máxima no MEC (Ministério da Educação) e graduação de medicina.

Atenção ainda para bancos revisando ou iniciando cobertura para diversas companhias, como Cyrela, SBF, Smart Fit e Banco do Brasil.

Confira os destaques:

Petrobras (PETR3;PETR4)

A Petrobras informa que iniciou na segunda-feira a produção de petróleo e gás natural do FPSO Carioca, primeira plataforma no campo de Sépia, no pré-sal da Bacia de Santos.

A FPSO Carioca (unidade flutuante de produção, armazenamento e transferência de petróleo e gás), que é afretada junto à Modec, possui capacidade de processamento diário de até 180 mil barris de óleo e de comprimir até 6 milhões de metros cúbicos de gás natural, segundo comunicado ao mercado. Está localizada a 200 km da costa do Estado do Rio de Janeiro, a 2.200 metros de profundidade.

Cosan (CSAN3)

A Cosan anunciou na segunda-feira uma nova estratégia de investimentos por meio de uma estrutura de fundos, através da qual realizará aportes com recursos próprios e eventualmente de terceiros em novos negócios, conforme fato relevante divulgado ao mercado.

O movimento já inclui, segundo a empresa, a apresentação de uma proposta vinculante para a aquisição de 100% do TUP São Luís, terminal portuário de uso privado localizado na capital do Maranhão, por 720 milhões de reais, além da formação de uma joint venture no setor de mineração.

A oferta pelo porto foi enviada pela Atlântico – controlada da Cosan – à São Luís Port Company, da chinesa CCCC, e aos acionistas minoritários que somam participação de 49% no terminal, disse a empresa. O fechamento da operação está sujeito a condições precedentes, como aprovações regulatórias e concorrenciais, bem como a aprovações societárias da CCCC.

Vitru (NASDAQ: VTRU)

A Vitru, dona da Uniasselvi, fechou na segunda a compra da UniCesumar por um valor que pode chegar a até R$ 3,5 bilhões. Fundada em Maringá (PR), a Cesumar reúne cursos de ensino a distância com nota máxima no MEC (Ministério da Educação) e graduação de medicina.

Na data de fechamento, 62,9% do valor patrimonial será pago em dinheiro e 19,4% será pago com a emissão de novas ações da Vitru. Com isso, os atuais acionistas da Unicesumar passarão a deter 23,6% do capital do grupo educacional. Os 17,7% restantes do valor patrimonial serão pagos à vista 12 meses após o fechamento, ajustados pelo IPCA

A Unicesumar é uma instituição de ensino superior líder e em rápido crescimento no Brasil com foco no mercado de educação a distância, fundada há 30 anos em Maringá (PR) e liderada pela família Matos. Ao final de março, contava com 760 hubs e 331 mil alunos, incluindo 314 mil em educação digital, destaca o fato relevante.

A receita líquida atual da Unicesumar em 12 meses (últimos 12 meses de março de 2021) é de R$ 762 milhões, enquanto o Ebitda Ajustado totalizou R$ 260 milhões, equivalente a uma margem Ebitda Ajustada de 34%.

Banco do Brasil (BBAS3)

Os analistas do Itaú BBA elevaram a recomendação para a ação do Banco do Brasil de underperform (desempenho abaixo da média do mercado) para marketperform (desempenho em linha com a média do mercado), com preço-alvo sendo atualizado de R$ 36 em 2021 para R$ 37 para 2022.

Segundo os analistas do banco, a medida pode soar contrária – antes de um ano de eleição presidencial – mas os analistas destacam que a ação BBAS3 está negociada a um desconto historicamente alto em relação aos bancos brasileiros, o que sugere um alto grau de risco político já embutido, o que significa upside levando em conta qualquer moderação.

“Os fundamentos também estão bem. A nova gestão manteve uma abordagem prudente para o crescimento / qualidade da carteira de crédito e está proporcionando mais economia de custos do que esperávamos. Com mais a ganhar do que perder a partir daqui, nossa recomendação anterior underperform não se justifica mais”, apontam.

SBF (SBFG3)

Depois de mais de um ano e meio com rating neutro, o Bradesco BBI elevou a recomendação para o grupo SBF, dono da Centauro, para outperform (desempenho acima da média do mercado), atualizando o preço-alvo de R$ 30 para R$ 44.

A equipe de análise baseia a nova recomendação em um desempenho melhor do que o esperado durante a pandemia, reforçando a confiança dos analistas no posicionamento da empresa para ganho de participação de mercado, além de novas estimativas que levam a um potencial de valorização de 28% em relação ao fechamento de segunda-feira. Os analistas também destacam a queda de 15% das ações recentemente, em linha com o setor, mas SBF deve ter momentum operacional e de resultados acima da média, além de oportunidades de crescimento, apontam.

Smart Fit (SMFT3)

Depois do Morgan Stanley na véspera, desta vez o Itaú BBA iniciou cobertura para as ações da Smart Fit com recomendação outperform e preço-alvo para 2022 de R$ 33,40 por ação. Entre os pontos para otimismo, estão o mercado com perspectivas de crescimento acelerado e mais espaço para consolidação – “apoiado pelo excelente histórico da empresa”, avaliam os analistas.

Cyrela (CYRE3)

O Bradesco BBI iniciou a cobertura da Cyrela, que estabeleceu como sua nova escolha favorita (top pick em inglês) entre construtoras de renda média e alta no Brasil, com recomendação outperform (perspectiva de valorização acima da média do mercado) e preço-alvo para 2022 em R$ 28. O banco ressalta que, no ano, os papéis da Cyrela recuaram 38% até o momento, apesar de resultados sólidos e tendências fortes.

O banco diz que sua visão positiva sobre a Cyrela vem de rendimentos sólidos, diversificação de segmentos, que combina a estabilidade da demanda do segmento de renda baixa e crescimento do segmento de renda média e alta; forte liquidez das ações, com volume médio diário negociado (ADTV na sigla em inglês) de R$ 147 milhões; e um valuation atrativo.

Lojas Renner (LREN3)

A Lojas Renner informou que, após o ataque cibernético sofrido em 19 de agosto, as lojas permaneceram abertas e operando durante todo o tempo, com indisponibilidade de apenas alguns processos por algumas horas da quinta-feira.

A operação de e-commerce foi restabelecida nos sites na manhã do dia 21 (sábado) e, nos aplicativos, no dia 22 (domingo).

“Como informado anteriormente, os principais bancos de dados permanecem preservados e, neste momento, todos os sistemas prioritários já estão operacionais”, destacou.

A varejista ressaltou que não fez nenhum contato com os autores desse ataque, tampouco negociou ou fez pagamento de resgate de qualquer espécie. “As equipes permanecem mobilizadas de acordo com o plano de proteção e recuperação, com todos os seus protocolos de controle e segurança, e com um trabalho de apuração, documentação e investigação sobre o ocorrido”, afirmou no comunicado.

A empresa informou que continua atuando de forma diligente e manterá o mercado informado de qualquer informação relevante relacionada a este evento.

IPOs

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) informou nesta segunda-feira (23) o indeferimento do pedido de registro de companhia aberta pela Havan, mas por desistência voluntária da varejista. Com isso, a companhia adiou pela segunda vez os planos de uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês).

Em nota após a informação constar no site da CVM, a Havan informou que o indeferimento foi devido à desistência voluntária que se deu em 12 de maio. “Por ora, a Havan adia a intenção de realizar sua oferta inicial de ações, que será retomada em momento oportuno e devidamente informada”, afirmou a companhia em nota. Veja mais clicando aqui. 

Além disso, a Cerradinho Bioenergia, com sede em Goiás, pediu registro para uma IPO em busca de recursos para financiar um projeto de etanol de milho no Mato Grosso do Sul. O projeto deve envolver investimento total de cerca de R$ 1,4 bilhão, com as obras devendo começar no primeiro semestre de 2022 e entrando em operação em setembro de 2023, afirmou a companhia no documento.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)

Curso gratuito ensina a ter consistência na bolsa para ganhar e rentabilizar capital. Participe!