Foi confirmada nesta quinta-feira (17) a ocorrência de dois novos casos da variante delta do coronavírus associados ao surto de coronavírus no Hospital Conceição, em Porto Alegre. Outras duas mortes de infectados também foram ratificadas. Com isso, a onda de contágios iniciada em 4 de agosto já totaliza 14 mortes, tendo como vítimas indivíduos internados e com comorbidades, a maioria idosos.

Ao todo, são conhecidos até agora 136 infectados em diferentes setores do hospital. Esse contingente é formado por 86 pacientes e 50 funcionários.

Uma das vítimas, um homem de 64 anos, morador de Viamão, não estava vacinado. Ele tinha comorbidades. A segunda, uma mulher chinesa, de 82, era residente de Porto Alegre e já havia recebido o imunizante.

Cerca de 500 indivíduos (350 trabalhadores e 150 pacientes) já foram submetidos a teste, número que deve ser ampliado nos próximos dias. A instituição aguarda retorno de análises em amostras enviadas à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro.

A finalidade é saber se o surto foi provocado pela variante delta do coronavírus, mais transmissível e que já se expande pelo Rio Grande do Sul. Em Porto Alegre, já existe transmissão comunitária dessa cepa.

O quadro epidemiológico levou a direção do Hospital a intensificar medidas restritivas para evitar o agravamento da situação:

– Proibição de visitas até o final do ano;

– Limitação do atendimento de emergência a casos graves, desde que encaminhados por ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

– Suspensão das cirurgias eletivas por 15 dias, exceto operações em especialidades oncológicas;

– Interrupção de exames ambulatoriais de endoscopia, tomografia e medicina nuclear, dentre outros;

– Divulgação, todas as manhãs, de um boletim epidemiológico relativo ao surto de coronavírus na instituição.

Clínicas e Vila Nova

Outra instituição de saúde de Porto Alegre atingida por surto de coronavírus é o Hospital de Clínicas, localizado em uma área mais central da capital gaúcha. Na semana passada, o comando da casa confirmou oito testes positivos em trabalhadores de sua ala administrativa (apontada como foco de propagação) e mais 14 em outros setores.

O quadro interno sob monitoramento, avaliando que “o cenário é de contenção”, já que não houve mais constatação de ocorrências desde o dia 10 de agosto. Além de novos testes, foram tomadas providências como isolamento de casos suspeitos, trabalho à distância para atividades que podem abrir mão do aspecto presencial, dentre outras.

No Hospital Vila Nova (Zona Sul), o problema está sob controle, sem novos contágios. A onda de casos foi detectada duas semanas atrás, com 18 funcionários e 29 pacientes – total de 47 testes positivos. O foco foi uma das unidades de internação, já reaberta. Segundo a Associação Hospitalar Vila Nova (AHVN), a variante Delta não foi detectada.