A ala política do governo quer fazer do novo Bolsa Família o motor da reeleição de Jair Bolsonaro. Nesta segunda, o presidente finalmente enviou ao Congresso a Medida Provisoria que coloca o cortejo para andar.

Em vez de valorizar o movimento político, o que o Planalto faz? Combina com o ministro da Defesa, Walter Braga Netto, e com a Marinha um encontro de tanques de guerra na Praça dos Três Poderes para o dia seguinte ao “start do novo bolsa”, o ato de gestão mais importante do momento, pelo menos para algumas cabeças do centrão.

No lugar de faturar com a política social num país de 15 milhões de desempregados, o governo vai passar o dia batendo boca nas redes, envolvo em provocações mofadas da ditadura. “Não há Ciro Nogueira que arrume isso”, ironiza um deputado do PP.