Subiu no telhado a ideia do presidente Jair Bolsonaro de promover uma “marcha” com ministros para levar ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, pedidos de abertura do processo de impeachment contra Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes, do STF e do TSE.

Com a repercussão negativa do plano, Bolsonaro já disse a aliados que se tratava de um boato e que apenas protocolaria os pedidos, sem pompa e circunstância.

Dois importantes auxiliares do presidente descartaram qualquer chance de o presidente descer a rampa do Palácio do Planalto e caminhar até o Senado.

Nesta segunda-feira, o Radar noticiou que ministros já procuravam compromissos e até viagens nesta semana para não terem que se juntar ao chefe na empreitada.

No sábado, quando anunciou a iniciativa pelas redes sociais, Bolsonaro escreveu: “na próxima semana, levarei ao Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, um pedido para que instaure um processo sobre ambos [Barroso e Moraes], de acordo com o art. 52 da Constituição Federal”.