Promovido pela AEPEI-RS (Associação das Escolas Privadas do Rio Grande do Sul), o Seminário em Defesa da Educação e Direitos das Crianças reuniu, na semana passada, entidades, especialistas e parlamentares gaúchos. Os participantes do evento defenderam o avanço dos protocolos de distanciamento para a educação infantil.

Segundo a associação, o seminário “foi marcado por uma voz uníssona no sentido da urgência em restaurar a qualidade de vida da criança e garantir seu cuidado e proteção diários, por meio da continuidade e da frequência escolar, saindo assim do contexto de vulnerabilidade, riscos e danos para o seu desenvolvimento e aprendizagens”.

Após o seminário, foi entregue ao governo do Estado a Carta-Manifesto Pacto Pelas Infâncias – RS. “A Educação Infantil percorreu uma longa estrada na busca de sua valorização pedagógica e firmou-se como etapa, de fundamental importância, na formação de um ser humano. Trata-se do acolhimento psicoafetivo, nutricional, social, intelectual e motor da criança pequena, que deve ter assegurados os seus direitos à Educação e Proteção permanentes”, diz o documento.

“Atualmente, temos um momento sanitário distinto da ocasião da construção dos protocolos, ainda em 2020 ou até mesmo em fevereiro de 2021. A transmissão comunitária do SARS-CoV-2 está reduzida, bem como a vacinação de professores, educadores, pais e responsáveis pelas crianças alcança praticamente toda comunidade escolar. As evidências científicas mundiais e experiências nacionais corroboram com a baixa transmissibilidade na infância, bem como desfechos clínicos favoráveis nesta faixa etária, o que se comprova na experiência relatada e vivenciada dos representantes da rede privada e de movimentos de pais participantes do Seminário em Defesa da Educação e Direitos da Criança”, afirma o texto.

“As reflexões e ponderações colhidas no encontro convergem pelo clamor do avanço dos protocolos de distanciamento para educação infantil, notadamente em função da sua especificidade de ambiente, de necessidade pedagógica e de saúde física e mental da criança. É inadmissível pensar esse território de maneira a aprisionar e isolar a criança, privando-a da principal ferramenta que a faz crescer, brincar entre seus pares, com liberdade, naturalidade e proteção. Com a união de várias vozes, somadas a constatações científicas e reflexões técnicas, conclamamos, através desta carta-manifesto, que não percamos uma grande oportunidade histórica para firmarmos um pacto de todos, governantes e sociedade para cuidar, verdadeiramente, da nossa infância e termos como saldo positivo um futuro diferente, um futuro melhor. Todos juntos por um Pacto pelas Infâncias!”, conclui o documento.

Entre os parlamentares que apoiam a Carta-Manifesto Pacto Pelas Infâncias – RS, estão os deputados Any Ortiz, Beto Fantinel, Faisal Karam, Frederico Antunes e Tiago Simon.