Finalmente cassada nesta quarta-feira, 11, o caso de Flordelis mostra uma das distorções que se pratica em nome da religião protestante, que é fundar uma igreja para a denominação ser, na verdade, um centro de negócios familiares. A outra é usar a igreja como alavanca para ir para a política – sempre o segundo passo.

Por fim, há distorções específicas de Flordelis. Ela adotou um número extravagante de filhos, fingia que viviam em harmonia, e o assassinato do “pastor” e marido revelou parte das coisas terríveis que se passavam em sua casa.

O caso da deputada cassada revela também como o espírito de corpo do Congresso pode adiar a resolução de uma óbvia quebra de decoro. Ela exercer o mandato de tornozeleira eletrônica com a acusação de ser mandante da morte do marido, e mesmo assim ficar vários meses trabalhando no Congresso, é espantoso.

Era óbvio que Flordelis estava usando o mandato para não ser presa. Assim como usou a religião para fazer política e vender a “imagem da família” para lucros nos negócios da igreja. O assassinato do marido mostrou com quantas mentiras se faz uma manipulação religiosa.