Chefe da CCJ do Senado, Davi Alcolumbre foi ao Planalto para conversar com o ministro Luiz Eduardo Ramos. Queria sondar a possibilidade de troca de nome do indicado para o STF. Sairia André Mendonça para entrar Augusto Aras.

Ramos, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, negou. Ciente da movimentação, o próprio Jair Bolsonaro fez checar a interlocutores do Senado que vai com Mendonça até o fim.

O presidente já indicou formalmente Mendonça ao STF. Para que o ex-ministro seja aprovado, é preciso que a CCJ realize a sabatina e aprove seu nome. Depois, o plenário da Casa precisa dar a palavra final. Mendonça já falou com boa parte dos senadores sobre sua indicação, mas a crise política alimentada pelo Planalto tem atrapalhado o processo de aprovação do escolhido do presidente.