Um estudo feito pela Universidade Estatal de Milão e publicado nesta segunda-feira (11) no British Journal of Dermatology apontou um novo “paciente 1” do coronavírus Sars-CoV-2 na Itália. Trata-se de uma mulher de 25 anos, que passou por uma biópsia por conta de uma dermatite atópica em 10 de novembro de 2019.

“Com base no que observamos nestes meses nos doentes de Covid, que apresentavam lesões cutâneas, comecei a me questionar se não seria possível encontrar algo similar antes do início oficial da pandemia. E, efetivamente, nós encontramos nos exames histológicos feitos em alguns pacientes do outono de 2019”, explicou o responsável pelo estudo, o pesquisador Raffaele Gianotti.

Segundo explicou Gianotti, foram reanalisadas as biópsias feitas naquele período do ano e que não conseguiram ter um diagnóstico muito preciso. No caso da mulher em que o Sars-CoV-2 foi detectado, por exemplo, os pesquisadores relataram que as manchas apareceram na pele sem nada de anormal ter ocorrido com ela e que houve o relato de um leve dor de garganta.

“Nos nossos estudos já publicados em revistas internacionais, nós provamos que existem nessa pandemia casos nos quais o único sinal é uma patologia cutânea”, acrescenta Gianotti.

Ainda conforme o estudo, a nova biópsia da amostra de 10 de novembro de 2019 apresentou a sequência genética do RNA, as “digitais” da Covid-19 no tecido cutâneo. A paciente, contatada sucessivamente, informou que não teve mais nenhum sintoma da doença, que as manchas sumiram do corpo em abril do ano seguinte e que apresentou anticorpos contra a Covid no sangue em um teste realizado em junho de 2020.

O líder da pesquisa disse que o caso da mulher é o mais antigo que foi detectado até o momento, mas que “provavelmente, continuando a procurar, encontraremos ele também nas amostras de outubro de 2019”.

Até o momento, a Itália considerava como seu “paciente 1” um menino de quatro anos que foi atendido em um pronto-socorro de Milão com problemas respiratórios e vômito no dia 30 de novembro. No dia seguinte, apareceram manchas na pele similares às do sarampo. No dia 5 de dezembro, ele passou por um exame orofaríngeo para a detecção do sarampo e, com análises realizadas quase um ano depois, detectou-se que os sintomas eram, na verdade, referentes à infecção pelo novo coronavírus.

A pesquisa publicada nesta segunda-feira soma-se a outros estudos feitos recentemente, que tentam identificar quem é o paciente inicial da pandemia de Covid-19 no país. Até o momento, houve pesquisas que identificaram o coronavírus Sars-CoV-2 no esgoto do norte da Itália em dezembro de 2019, um feito pelo Instituto Nacional de Tumores de Milão que havia encontrado anticorpos ao vírus em exames pulmonares entre setembro de 2019 e março de 2020, e o do menino de Milão.

Até hoje, a Itália é um dos países mais afetados pela pandemia da Covid-19 no Ocidente, com mais de 2,2 milhões de casos confirmados da doença e 78.755 mortes pela doença. (ANSA).

PROCURA-SE: Profissionais de todas as formações estão migrando para uma das profissões mais bem remuneradas do mercado. Entenda como fazer o mesmo nesta série gratuita do InfoMoney!

The post Primeiro caso de Covid-19 na Itália foi registrado em 10 de novembro de 2019, diz estudo que revela novo ‘paciente 1’ no país appeared first on InfoMoney.