O senador Paulo Paim (PT-RS) sugere que uma eventual frente ampla para 2022 deve incluir conversas com partidos de centro do campo ideológico. Independente de quem vá sair como cabeça de chapa, o parlamentar defende que a preferência deva recair sobre os quadros mais bem preparados.

Sempre diplomático, Paim fez referência às quase quatro décadas de vida pública para observar o momento atual da legenda. “O tempo passa para todos”, disse, sem citar nomes e sugerindo uma renovação de quadros. “É preciso olhar além do horizonte e considerar novas lideranças”, completou.

Na avaliação do senador, o que ficou evidente com o resultado das urnas é que o eleitor se colocou contra os extremismos – daí a importância do que defende, as políticas humanitárias, de inclusão e diversidade.